banner 40 anos 20-11 970x250

Bolsonaro é alvo de operação tem 24 horas para entregar passaporte

8 de fevereiro de 2024 Fonte::

O ex-presidente Jair Bolsonaro foi um dos alvos da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal, na manhã desta quinta-feira, 8. Também foi determinado que ele entregue o passaporte em até 24 horas.

A informação é da Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.  De acordo com a PF, a ação visa apurar a organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito, para obter vantagem política com a manutenção do então presidente da República no poder. Na manhã desta quinta, agentes foram até a casa de Bolsonaro, em Angra dos Reis (RJ), e apreenderam celulares de assessores ligado à ele.

O passaporte não estava lá, por isso a determinação. “Saí do governo há mais de um ano e sigo sofrendo uma perseguição implacável”, declarou o ex-presidente. “Me esqueçam, já tem outro governando o país”.  Operação Entre os alvos, estão Braga Netto, Augusto Heleno e o ex-ministro da Defesa Anderson Torres.

O ex-assessor especial de Bolsonaro, Filipe Martins, Rafael Martins de Oliveira e Bernardo Romão foram presos. A informação foi confirmada pelo Terra. Ao todo, estão sendo cumpridos 33 mandados de busca e apreensão, quatro mandados de prisão preventiva e 48 medidas cautelares diversas da prisão, nos estados do Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Distrito Federal.

As medidas judiciais foram expedidas pelo Supremo Tribunal Federal. As investigações apontam que o grupo investigado se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas Eleições Presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, para tentar viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital.

Conforme a PF, o primeiro eixo se baseou na construção e propagação da versão de fraude nas Eleições de 2022, por meio de mentiras a respeito de vulnerabilidades do sistema eletrônico de votação, discurso reiterado pelos investigados desde 2019, e que persistiu mesmo após os resultados do segundo turno do pleito em 2022, em que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi eleito. 

O segundo eixo de atuação consistiu na prática de atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, por meio de um golpe de Estado, com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível. O Exército Brasileiro acompanha o cumprimento de alguns mandados, em apoio à Polícia Federal. Os fatos investigados configuram, em tese, os crimes de organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

Comentarios
banner gov 10-10
banner ale 18-11 970x250